Dicas para reduzir o consumo de energia no condomínio


como reduzir o consumo de energia no condominio

A quantidade de pessoas vivendo e circulando em um condomínio torna bem difícil a tarefa de controlar gastos. E quando menos se espera, vem a surpresa: aumento em contas de consumo básico. E aí o síndico precisa se virar para encaixar os altos valores dentro da taxa condominial para evitar confusões. A energia elétrica é […]

A quantidade de pessoas vivendo e circulando em um condomínio torna bem difícil a tarefa de controlar gastos. E quando menos se espera, vem a surpresa: aumento em contas de consumo básico. E aí o síndico precisa se virar para encaixar os altos valores dentro da taxa condominial para evitar confusões.

A energia elétrica é uma das contas em que o valor sobe com mais facilidade. Pela dificuldade de monitoramento de consumo, essa cobrança às vezes assusta. O peso da conta de luz pode variar entre 4% e 10% do custo total de manutenção e isso, para os condôminos, pode representar um aumento de 10% a 20% na taxa de condomínio.

Mas nem tudo está perdido. Existem diversas medidas que podem ser tomadas para ajudar a reduzir o consumo de energia elétrica e diminuir os gastos com essa conta, principalmente nas áreas comuns do condomínio. Confira!

1. Adeus lâmpadas antigas!

Pode parecer besteira, mas é preciso ficar atento às lâmpadas, já que elas representam cerca de 20% do consumo de energia elétrica. As lâmpadas incandescentes estão super ultrapassadas, porém alguns lugares ainda as utilizam. As fluorescentes são mais comuns, porém não mais inteligentes, já que consomem, em média, 85% a mais de energia elétrica do que as lâmpadas LED, que é a melhor escolha para um condomínio.

2. Instalação de sensor de presença

Além da troca de lâmpadas comuns para as lâmpadas LED, um “boost” seria a instalação de sensores de presença. Esse tipo de ação pode ajudar a economizar até 50% de energia. Lugares onde pessoas não circulam o tempo todo devem estar no topo da lista de principais locais para a instalação desse tipo de sensor, como escadas, salões, corredores, etc. Além disso, aumenta a vida útil das lâmpadas.

3. Deixe o sol entrar

Evite colocar cortinas nas janelas das áreas comuns e fechar portas. Se possível, troque janelas escuras por janelas de vidro limpas e deixe a iluminação natural entrar nos lugares o máximo possível.

4. Pinturas em tons claros

Outra dica que parece besteira, mas não é. Pinturas claras nas áreas comuns tendem a clarear o ambiente, evitando a necessidade de ligar as luzes enquanto ainda é dia.

5. Modernização de equipamentos

Equipamentos como eletrodomésticos pelo condomínio, equipamentos de salão de festas, refrigeradores da área da churrasqueira, ou até mesmo elevadores e bombas hidráulicas, precisam ser modernizados. Equipamentos antigos gastam muito mais energia do que os novos. Fique atento ao selo Procel de economia de energia e dê prefêrencia aos níveis mais eficientes.

6. E o mais importante: comunicação e conscientização

De nada adianta todas essas ações para redução de consumo se os moradores não estiverem na mesma página. Estabeleça uma comunicação, utilize os aplicativos do condomínio e toda tecnologia possível para distribuir informações sobre boas práticas para diminuir gastos com eletricidade e engaje todos em campanhas.

Como dá pra perceber, existem diversas formas de reduzir esse alto consumo de energia elétrica, além de ações específicas dentro da realidade de cada condomínio. Aqui, só demos algumas dicas básicas que muitas vezes passam batidas pelos síndicos. Mas se todos trabalharem juntos, basta escolher a melhor estratégia.