Falhas na comunicação: evitando polêmicas e ações jurídicas

Uma das coisas mais importantes nos condomínios é a comunicação interna. Sem ela, coisas simples e pequenas se transformam em tempestades desnecessárias. A gestão tem que ficar atenta a isso e se esforçar para atingir uma relação saudável dentro do ambiente.

Mas quem pensa que basta apenas ter uma comunicação interna que funciona, está errado. Além disso, é preciso criar estratégias e agir de forma que essa comunicação não ultrapasse certos limites e, ainda assim, transmita o que é necessário.

Quem comanda esse processo é o síndico. Faz parte das obrigações dele como tarefa, informar todos os moradores sobre acontecimentos, contratempos e regras do condomínio. O problema é que muitas vezes isso é feito de maneira inadequada e ofensiva.

Existem muitos casos circulando nas redes sociais e mostrando o despreparo na hora de passar informações. Os moradores estão cada vez mais atentos ao que os síndicos e administradoras têm a dizer e como dizem. Eles querem cada vez mais participar da gestão de onde moram, o que está mais do que certo.

Estabelecer relações harmoniosas resolve conflitos e evita maiores problemas. Mas o cuidado na comunicação interna evita processos e perturbações muito maiores. Por isso, vamos dar algumas dicas que vão te ajudar a evitar esse tipo de dor de cabeça:

1.Ouvir mais

Antes de redigir qualquer comunicado ou enviar qualquer mensagem aos moradores, ouça o que eles têm a falar. Saber quem mora no condomínio que você faz a gestão é essencial para evitar erros e identificar qual é a sua zona de perigo e até onde você pode ir. Caso exista algum assunto que seja de difícil abordagem, convoque uma assembléia. Assim evita o disse-me-disse e resolve tudo no coletivo de uma vez só.

2. Textos objetivos

Entenda: quanto mais você escrever, maior a chance de dizer o que não precisa e menor a chance dele ser lido e bem interpretado. Seja direto com as palavras, além de ser claro e sucinto.

3. Use da formalidade

Por mais chato que isso pareça, comunicados internos são passíveis de consequências jurídicas. Uma palavra mal entendida ou mal interpretada pode gerar muitos problemas para o síndico e condomínio. Uma circular ou cartilha não pode ser mais um textinho cheio de informalidades. É um documento oficial do condomínio e deve ser tratado como tal. Além disso, a cordialidade também deve estar presente em todos os textos enviados, seja pelo app, e-mail ou no mural de avisos.

4. Tecnologia é aliada

A tecnologia já está no dia a dia das pessoas e todo mundo sabe. Então, isso pode ser uma ótima ferramenta para a comunicação interna dos condomínios. Por meio de recursos como redes sociais ou até mesmo alguma plataforma própria de gestão, o síndico consegue interagir melhor com os moradores e criar estratégias que evitam conflitos e melhoram o relacionamento entre todos.

Ainda assim, tudo o que é enviado aos moradores precisa ser super revisado e feito com muito cuidado, além de ter sempre alguém que entenda das leis para dar o veredito final no que está sendo feito. Essa é a única forma de evitar brigas judiciais entre moradores e condomínio.

 

É possível multar quem não usa máscara em condomínio?

Cabe a cada estado empregar suas leis diante da covid-19. Especificamente para o Estado de São Paulo, entrou em vigor em 1 de julho de 2020 a Resolução 96, de 29/06/2020, da Secretaria da Saúde. Diz essa resolução sobre a regulamentação da fiscalização pela Vigilância Sanitária do Estado e Municípios, de acordo dom o Decreto 64.959/20.

Ainda que os condomínios sejam uma propriedade compartilhada (composta de áreas comuns e privativas), bem como a sua administração e regras sejam específicas e estejam definidas em Convenção e Regimento Interno, é preciso entender o momento que vivemos e quais são as atitudes corretas a serem tomadas. Logo, o condomínio deve agir em prol do coletivo, pensando sempre no que é melhor para todo mundo.

Além disso, é dever de todo condômino utilizar a sua parte da propriedade sempre com a intenção de preservar a segurança, salubridade e sossego de todos, segundo o Código Civil, Art. 1336, Inciso IV.

E, embora essa resolução não englobe os condomínios, a página oficial do Governo de São Paulo diz que “condomínios também devem seguir a regra (de uso obrigatório de máscaras) nas áreas comuns de circulação de moradores e visitantes”.

Para não deixar mais dúvidas, a Secretaria de Saúde regulamentou a questão na Resolução SS 96, dizendo que “dispõe sobre as ações de Vigilância Sanitária no âmbito do Sistema Estadual de Vigilância Sanitária – Sevisa, para fiscalização do uso correto de máscaras nos estabelecimentos comerciais, prestação de serviços, bem como pela população em geral, e dá providências decorrentes”. A Secretaria acrescentou também em texto a parte que “condomínios também devem seguir a regra nas áreas comuns de circulação de moradores e visitantes”. E, em uma pergunta direcionada aos condomínios, o texto diz:

“Em condomínios particulares também poderão ocorrer multas?” Sim. A Vigilância Sanitária tem autoridade para entrar em condomínios residenciais ou empresariais. Nos espaços de uso comum, as pessoas também devem usar máscara obrigatoriamente. Caso não as utilizem, o condomínio será multado por pessoa que estiver descumprindo a norma (valor de R$ 5.025,02 por cada infrator no ambiente condominial).”

Pensando por esse lado, a gente entende que sim, o condomínio pode advertir e até aplicar multa, em caso de reincidência, a condôminos e visitantes que não estejam usando máscara em áreas comuns, já que, caso fiscalizado, o condomínio vai receber multa pelos infratores em questão.

Para evitar esse tipo de dor de cabeça, aqui vão algumas dicas para quem não quer ter problemas quanto ao uso de máscara nas áreas do condomínio:

1. Sinalize toda a área comum com informativos sobre a obrigatoriedade da máscara naquele espaço. Informação nunca é demais. Além disso, o condômino ou visitante não vai poder dizer que não sabia. Mais atenção nas áreas de tráfego de pessoas e acessos.

2. Caso veja alguém sem máscara, comunique previamente a pessoa com uma advertência ou aviso. Já chegar com a multa não é o comportamento mais adequado. O morador precisa saber o que vai acontecer em caso de reincidência daquela infração.

3. O condomínio não é obrigado a fornecer máscara para moradores, visitantes e prestadores de serviço. Mas é de bom senso ter algumas em reserva para evitar maiores problemas.

4. A multa que o condomínio deve pagar é de R$5.025,02, caso o fiscal da Vigilância Sanitária encontre irregularidades quanto ao uso da máscara. Uma boa forma de fazer os infratores recuar é informar esse valor. Deixe claro como uma multa custa caro e avise da possibilidade de repasse da punição.

5. Dentro dos carros, essa medida não é válida, mas, assim que descer do veículo, o morador deverá usar máscara.

6. Monte uma cartilha com todas as informações e com a lei, distribua isso para os moradores e terceirizados e peça para que isso chegue também nos prestadores de serviço. Informar vai ser sempre a melhor forma de evitar problemas.

Essas medidas duram de acordo com o que o Governo do Estado de São Paulo decidir. Não existe ainda uma data exata para o fim dos parâmetros de segurança. É preciso segui-los até segunda ordem.

Dicas para reduzir o consumo de energia no condomínio

A quantidade de pessoas vivendo e circulando em um condomínio torna bem difícil a tarefa de controlar gastos. E quando menos se espera, vem a surpresa: aumento em contas de consumo básico. E aí o síndico precisa se virar para encaixar os altos valores dentro da taxa condominial para evitar confusões.

A energia elétrica é uma das contas em que o valor sobe com mais facilidade. Pela dificuldade de monitoramento de consumo, essa cobrança às vezes assusta. O peso da conta de luz pode variar entre 4% e 10% do custo total de manutenção e isso, para os condôminos, pode representar um aumento de 10% a 20% na taxa de condomínio.

Mas nem tudo está perdido. Existem diversas medidas que podem ser tomadas para ajudar a reduzir o consumo de energia elétrica e diminuir os gastos com essa conta, principalmente nas áreas comuns do condomínio. Confira!

1. Adeus lâmpadas antigas!

Pode parecer besteira, mas é preciso ficar atento às lâmpadas, já que elas representam cerca de 20% do consumo de energia elétrica. As lâmpadas incandescentes estão super ultrapassadas, porém alguns lugares ainda as utilizam. As fluorescentes são mais comuns, porém não mais inteligentes, já que consomem, em média, 85% a mais de energia elétrica do que as lâmpadas LED, que é a melhor escolha para um condomínio.

2. Instalação de sensor de presença

Além da troca de lâmpadas comuns para as lâmpadas LED, um “boost” seria a instalação de sensores de presença. Esse tipo de ação pode ajudar a economizar até 50% de energia. Lugares onde pessoas não circulam o tempo todo devem estar no topo da lista de principais locais para a instalação desse tipo de sensor, como escadas, salões, corredores, etc. Além disso, aumenta a vida útil das lâmpadas.

3. Deixe o sol entrar

Evite colocar cortinas nas janelas das áreas comuns e fechar portas. Se possível, troque janelas escuras por janelas de vidro limpas e deixe a iluminação natural entrar nos lugares o máximo possível.

4. Pinturas em tons claros

Outra dica que parece besteira, mas não é. Pinturas claras nas áreas comuns tendem a clarear o ambiente, evitando a necessidade de ligar as luzes enquanto ainda é dia.

5. Modernização de equipamentos

Equipamentos como eletrodomésticos pelo condomínio, equipamentos de salão de festas, refrigeradores da área da churrasqueira, ou até mesmo elevadores e bombas hidráulicas, precisam ser modernizados. Equipamentos antigos gastam muito mais energia do que os novos. Fique atento ao selo Procel de economia de energia e dê prefêrencia aos níveis mais eficientes.

6. E o mais importante: comunicação e conscientização

De nada adianta todas essas ações para redução de consumo se os moradores não estiverem na mesma página. Estabeleça uma comunicação, utilize os aplicativos do condomínio e toda tecnologia possível para distribuir informações sobre boas práticas para diminuir gastos com eletricidade e engaje todos em campanhas.

Como dá pra perceber, existem diversas formas de reduzir esse alto consumo de energia elétrica, além de ações específicas dentro da realidade de cada condomínio. Aqui, só demos algumas dicas básicas que muitas vezes passam batidas pelos síndicos. Mas se todos trabalharem juntos, basta escolher a melhor estratégia.

Como um cliente fiel pode promover sua administradora?

Não importa o segmento da empresa, todas elas querem ter um tipo bem específico de cliente: aquele que defende uma marca e convence pessoas do seu círculo de contatos a contratar esses serviços. E agora existe um nome para esse consumidor dos sonhos: cliente promotor.

Com novas tecnologias surgindo todos os dias, é bem comum só se preocupar com a modernização da sua administradora. Mas uma coisa você não pode esquecer jamais, que o bom e velho boca a boca ainda funciona. E muito!

Para você ter uma ideia mais clara do que estamos falando, em uma pesquisa realizada em 60 países pela Nielsen Company, 83% dos entrevistados disseram que confiam nas indicações de amigos e familiares. Além disso, a ExpertVoice publicou que 92% das pessoas acreditam mais nas recomendações e sugestões de outras pessoas (e olha só, até se for um estranho) do que nos conteúdos criados e gerados por uma marca.

Como você pode ver, investir em clientes promotores é uma sacada muito inteligente. São essas pessoas que, além de serem clientes fieis, ainda indicam e brigam pela sua empresa, ou seja, promovem a sua marca.

Existem muitos tipos de clientes promotores. Metade das empresas nem mesmo sabem quem são o seus “advogados da marca”, e das que sabem, 80% não utilizam isso em seu marketing de forma efetiva, segundo dados da JiBit. Se você faz parte desse percentual, então está na hora de mudar isso, não acha? Vem com a gente!

Como identificar os seus clientes promotores?

Existem alguns indicativos que te ajudam a comprovar que um cliente pode ser um promotor da sua empresa. Alguns são:

  • Clientes felizes: o mais óbvio. O cliente consome, gosta, volta e indica. Dê valor a esse perfil, ele é muito importante para o seu crescimento.
  • Clientes indicadores: aquele que consumiu uma vez, nem sempre volta, mas sua experiência foi tão boa que ele indica o seu negócio para outras pessoas.
  • Clientes que amam a sua marca pelo valores ou posicionamento ou conteúdo: esse é um pouco mais difícil, ainda mais para empresas pequenas. São clientes que nem sempre consomem da sua empresa, mas indicam por saberem que o seu serviço é o melhor.
  • Colaboradores: esse tipo de cliente promotor é o que trabalha na sua empresa e a conhece a fundo, por isso pode indicar com muita propriedade. Mas aqui são dois lados da mesma moeda, já que, caso esteja infeliz, esse tipo de cliente promotor pode fazer o trabalho reverso e acabar com a imagem da sua marca.

Como transformar seus clientes em promotores da sua marca?

Ótimo, agora que você já entendeu a importância de ter um cliente promovendo a sua empresa, está na hora de colocar isso em prática. Parece difícil, mas a gente tem certeza que com nossa ajuda, esse trabalho vai ficar mais fácil. Bora lá!

1. Conquiste seu cliente de primeira!

Talvez essa seja a dica mais importante. Nada melhor para ter um cliente promotor do que conquistá-lo logo na primeira oportunidade. É claro que você pode fazer isso depois, mas é aquilo que dizem: a primeira impressão é a que fica.

Uma administradora de condomínios precisa suprir todas as expectativas dos síndicos e moradores. Nutra essa confiança de uma forma que não deixe a desejar.

2. Entregue o máximo de valor possível

Seu cliente espera sempre algo da sua administradora. E é aí que já começa a fidelização. Mostre a que sua empresa veio, os diferenciais e por que esse condomínio acertou em escolher a sua marca. Entregue mais do que o síndico espera.

3. Procure sempre otimizar a experiência do cliente com um suporte impecável

Um bom relacionamento é a base de um negócio saudável. Esteja sempre presente em todas as etapas de venda e consumo. Otimize seu site, seus aplicativos, todos os processos que envolvam o seu cliente e oferte uma experiência inesquecível, seja on ou offline.

Mas, principalmente, não se esqueça do pós-venda. Um cliente é fidelizado quando algo dá errado e ele tem um suporte que informa, ajuda e resolve problemas com rapidez, segurança e confiança.

4. Ajude seus clientes a atingirem seus objetivos

Descubra logo no início qual é o objetivo final do seu cliente e trabalhe com ele para chegar lá. Vista a camisa do seu cliente, mostre que vocês podem trabalhar juntos por um mesmo propósito. Nada encanta mais o consumidor do que perceber que uma marca está ao seu lado em busca de uma meta.

5. O cliente precisa ser o foco do seu negócio

Crie uma cultura empresarial focada nos clientes. Não tem como obter clientes promotores se sua empresa não vê seus consumidores como prioridade.

Promova treinamentos com a sua equipe, além de deixar claro que o sucesso do cliente é uma das missões da empresa. Leve isso de uma forma tranquila e seus colaboradores entenderão que o cliente é a prioridade da sua marca.

São muitas formas de tornar o seu cliente um promotor e essas são só algumas delas. Entenda que essa fidelização é importante para o crescimento da sua administradora e promova esse entendimento a todos os colaborados e líderes. Depois compartilhe com todos como foi essa experiência!

5 boas práticas para deixar sua administradora mais lucrativa

Toda empresa ou organização visa ser cada vez mais lucrativa, isso é um fato. Com a competitividade aumentando a cada dia, a disputa pelo mercado acaba ficando muito mais acirrada (o mercado vale barras de ouro!). E isso não é diferente com as administradoras de condomínios.

Quando a empresa é pequena, esse objetivo acaba sendo ainda mais desafiador. E para competir com os grandes nomes do mercado na área, é preciso aprimorar estratégias, treinar equipe, ter iniciativa e mais um monte de habilidades e obrigações que o negócio demanda. Não é fácil, mas também não é impossível, principalmente se nós te dermos um empurrãozinho.

Vamos listar abaixo algumas práticas que podem ajudar a aumentar a lucratividade da sua empresa:

1. Metas e mais metas.

Para quem não sabe aonde quer chegar, qualquer caminho serve. Estabeleça metas, prazo para cumpri-las e trabalhe para alcançar o seu objetivo preestabelecido. Isso é importante para que suas ações e estratégias não se percam no meio do caminho.

2.Tiro certeiro no público-alvo!

Uma das melhores estratégias para conquistar clientes é entregando uma experiência personalizada. Esses consumidores querem algo especial, direcionado a eles e que ande de acordo com o que eles precisam. E ter esse conhecimento pleno do público-alvo ajuda no processo de competitividade.

Com empresas concorrentes, funciona da mesma forma. Com quem a sua administradora está competindo? Qual outra empresa a sua precisa superar? Conhecer quem é o seu concorrente direto ajuda a não perder tempo com ações que não vão dar em nada e a focar no que realmente é preciso para conseguir o cliente que está buscando o serviço que sua administradora oferece.

3. Invista em pessoas.

Ter bons colaboradores e líderes ajudando a sua empresa a crescer é super importante na jornada para aumentar a lucratividade. Bons profissionais são engajados e interessados em evoluir junto com a marca e isso os faz trabalhar com grandes objetivos em mente.

Invista em treinamentos para capacitar os funcionários e também em momentos de descontração, como um happy hour, uma comemoração, presentes em datas especiais, etc. (queremos todos motivados).

4. Fique ligado nas tendências.

Ninguém consegue prever o futuro, é claro. Mas ficar ligado no que está acontecendo e no que está por vir através de pesquisas, estudos e profissionais especializados é o mínimo que uma empresa precisa para estar a frente no mercado e ter mais lucro.

Estar atualizado sobre novidades e previsões no seu segmento ajuda colaboradores e gestores a se preparem para o que pode vir, evitando surpresas.

5. Inove e invista em tecnologia!

As empresas mais competitivas são conhecidas por nunca ficarem paradas na zona de conforto. Elas inovam. Buscam novas formas para processos antigos e nunca param de querer melhorar o que dá para melhorar. Para isso, contratar profissionais criativos e que pensem fora da caixa é primordial.

E falando em inovação, a tecnologia é uma aliada. Ter plataformas e aplicativos que ajudam no dia a dia, na gestão do negócio e na evolução da empresa é uma ação que funciona. E é aí que a Ahreas entra. Com soluções de gestão, finanças, tecnologia e inovação para a sua administradora, fica muito mais fácil atingir o resultado almejado. Você pode dar uma olhada no que oferecemos e as vantagens clicando aqui.

O resumo da ópera: temos que entender que não existem atalhos para o sucesso, para se tornar uma administradora mais lucrativa é preciso melhorar a competitividade e os processos.