Quiz: Que tipo de síndico é você?

O síndico de um condomínio pode despertar muitos sentimentos: admiração, raiva, empatia, solidariedade… Mas você sabia que há diversos tipos de síndicos? Por isso, no post de hoje vamos entender qual é a função do síndico e descontrair com o nosso quiz para descobrir que tipo de síndico você é.

Vamos lá?!

Afinal, qual é o papel do síndico?

De acordo com a Associação Brasileira das Administradoras de Imóveis (ABADI), o síndico é o representante legal do condomínio e deve ser escolhido por meio de uma assembleia. A duração da sua função pode ser de até dois anos com possibilidade de renovação. O síndico pode ser pessoa física ou jurídica, condômino ou não.

Dentre as suas principais funções, têm-se:

  • Convocar a assembleia dos condôminos;
  • Representar, ativa e passivamente, o condomínio;
  • Dar imediato conhecimento à assembleia da existência de procedimento judicial ou administrativo, de interesse do condomínio;
  • Cumprir e fazer cumprir a Convenção, o Regimento Interno e as determinações da assembleia;
  • Dentre outras.

Tipos de síndico: descubra que tipo de síndico é você

Para descontrair, que tal responder este quiz e descobrir que tipo de síndico você é?

 

Administradora de condomínios: é possível aumentar a carteira de clientes e sem aumentar a estrutura da empresa?

Uma organização sem bons clientes não sobrevive, não é mesmo?! Além de ampliar o seu número de clientes, é necessário mantê-los satisfeitos. Assim, uma gestão eficiente da carteira de clientes certamente é uma forma de aumentar os resultados de uma empresa.

Por isso, no post de hoje vamos ver como uma administradora de condomínios pode ampliar sua carteira de clientes.

Vamos lá?!

Como uma administradora de condomínios pode prospectar clientes?

No caso das administradoras de condomínios, é necessário que ela prospecte novos clientes para que eles comecem a fazer parte da sua carteira. E aí vem a dúvida: como uma administradora de condomínios pode prospectar clientes?

Encontre os condomínios dentro do seu perfil

Antes de encontrar, é necessário definir: afinal, qual é o perfil do público-alvo que sua administradora quer atingir? Com base na definição deste perfil ideal, ficará mais simples definir estratégias e ações para encontrar potenciais clientes.

Use a tecnologia ao seu favor

Mostre que sua administradora de condomínios é inovadora e utiliza a tecnologia para facilitar seus processos e oferecer um serviço diferenciado para seus clientes.

Tenha um site com informações sobre as suas soluções, ofereça um aplicativo, esteja presente nas redes sociais, dentre outros.

Participe de eventos

Participe de eventos, mesmo que virtuais como, por exemplo, eventos voltados para o segmento de condomínios, tais como cursos, palestras e workshops.

Propaganda boca a boca

Oferecer um serviço diferenciado, inovador, ter um quadro de colaboradores qualificados (mesmo que seja um quadro enxuto) certamente será percebido por parte dos seus clientes.

E um cliente feliz gosta de divulgar os seus parceiros. Por isso, acredite no poder da propaganda boca a boca.

Que tal ser uma administradora mais digital? É isso que o Ahreas Adm Condomínios oferece: com a sua implementação, as administradoras de condomínios conseguem ter uma rotina mais otimizada, automatizada e digital, oferecendo soluções eficientes para os seus clientes.

E há soluções tanto para a gestão de pessoas, como também para a previsão orçamentária, gestão de receitas, emissão de boletos, conciliação automática e muito mais. Clique aqui para saber mais.

Golpe do delivery no condomínio: como funciona e como não cair nessa cilada?

Uma das consequências da pandemia é que as pessoas precisaram ficar mais tempo em casa e, com isso, o aumento de pedidos de comida em casa aumentou. Mas esse maior número de pedidos de delivery trouxe outras consequências, tais como o aumento dos golpes.

Por isso, no post de hoje vamos entender o que é o golpe do delivery, as principais formas e ver como seu condomínio pode se proteger.

Vamos lá?!

A pandemia e o aumento do golpe do delivery

O Procon/SP observou um aumento de 186% nas reclamações sobre golpes aplicados por entregadores de apps de comida, ou seja, o golpe do delivery.

Apenas entre janeiro e maio de 2021 foram registrados 249 atendimentos contra as empresas Ifood, Rappi e Uber Eats. Para ter uma noção em relação ao mesmo período do ano anterior, foram 87 reclamações.

De acordo com as reclamações no órgão, os clientes são cobrados em valores indevidos pelo entregador dos aplicativos e só percebem o golpe após os valores terem sido debitados.

Mas como funciona, afinal, este golpe do delivery que tem se tornado comum em condomínios e nas residências?

Como funciona o golpe do delivery?

De acordo com o Portal Uol há, basicamente, dois modos principais que os bandidos atuam:

  • Pagamento presencial: entregam uma maquininha com o visor danificado (quebrado ou arranhado) e inserem um valor bastante superior ao correto.
  • Pagamento que já foi realizado pelo aplicativo: o entregador alega a necessidade de cobrar uma taxa extra de entrega que, no geral, é baixa. Aí, eles vão passar pela maquininha e acontece o mesmo que na situação anterior: como o visor está danificado, inserem um valor muito mais alto.

O Portal Reclame Aqui traz algumas reclamações dos usuários. Por exemplo, uma consumidora de São Paulo (SP) pontuou que o entregador, ao chegar em seu condomínio, disse que precisava ser paga uma taxa de R$ 4,99 de entrega. Mesmo desconfiada, ela acabou pagando por ser uma quantia baixa. Porém, depois percebeu que havia sido debitado R$ 3.500,00 da sua conta.

Como os condomínios podem se proteger do golpe do delivery?

Neste caso, por mais que o condomínio tenha dispositivos de segurança, tais como câmeras, identificação biométrica, dentre outros, a questão é de conscientização dos seus moradores.

Uma forma é falar para os condôminos sobre esse golpe para que eles fiquem mais atentos. Por exemplo, você pode compartilhar este texto com seus amigos, colegas e vizinhos.

E para continuar conhecendo as novidades sobre condomínios, acompanhe a gente nas redes sociais também, estamos no Instagram, no Facebook e no LinkedIn.

 

Cultura do cancelamento: como ela pode acabar com a sua administradora

Um assunto que tem se tornado comum no mundo das personalidades, políticos e celebridades, a “Cultura do Cancelamento” não se restringe apenas às “pessoas físicas” e, nos últimos anos, tem ganhado mais força no mundo organizacional.

Por isso, no post de hoje vamos entender o que é a cultura de cancelamento e ver quais impactos ela pode causar para uma administradora de condomínios.

Vamos lá?!

O que é, afinal, a cultura do cancelamento?

Com a aumento da conexão entre as pessoas, veio também a maior facilidade de romper esses laços. No ambiente das redes sociais, a cultura do cancelamento é muito comum, especialmente no Twitter e no Instagram. Mas, afinal, o que é cancelar uma empresa?

Aqui, cancelar é sinônimo de boicotar. Assim, uma empresa pode ser cancelada quando faz algo considerado ofensivo, polêmico ou, até mesmo, preconceituoso. Ou seja, é boicotada por tomar uma atitude considerada por parte do público como inaceitável.

O que leva uma empresa a ser cancelada?

A Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje) cita uma pesquisa recente da Porter Novelli sobre a Cultura do Cancelamento Corporativo.

De acordo com a pesquisa, os principais temas que motivam o cancelamento corporativo são:

  • Justiça racial: 70%;
  • Quebra de protocolos da COVID-19: 68%;
  • Imigração: 61%;
  • Mudanças climáticas / meio ambiente: 57%;
  • LGBT+: 57%;
  • Religião: 57%;
  • Política: 54%.

Como a cultura do cancelamento pode afetar as empresas?

Como foi visto, essa cultura do cancelamento pode afetar a todos: desde marcas, empresas, personalidades, governos e, até mesmo, os anônimos.

Do ponto de vista organizacional, isso é preocupante. No passado, as políticas internas das empresas acabavam sendo apenas um tema organizacional. Atualmente, algumas práticas podem ganhar grandes dimensões e extrapolar os limites da empresa.

Portanto, é importante que as administradoras de condomínios estejam atentas. Desta forma, cabe as organizações repensarem suas práticas, inclusive internas. Além disso, é importante evitar situações que podem gerar uma exposição desnecessária para a empresa.

Por isso, é importante que as administradoras de condomínios se adequem a essa nova realidade. E algumas perguntas podem nortear essas decisões:

  • Essa prática é coerente com os dias atuais?
  • Ela é moralmente aceita?
  • Está aderente às demandas da sociedade no geral e do meu público em particular?

Gostou de saber mais sobre cultura do cancelamento? Quer continuar conhecendo as novidades sobre gestão de condomínios? Acompanhe a gente nas redes sociais também, estamos no Instagram, no Facebook e no LinkedIn.